Entrevista – Patrícia Lencastre Ribeiro

O blogue da Patrícia Lencastre Ribeiro, Short story blog, existe desde 2012 e está repleto de imagens bonitas e uma história de vida, a de uma família a quatro. Pelo meio surgem viagens, projectos de culinária, malhas e peças de roupa, tudo feito com bom gosto e o ingrediente mais importante de todos, com carinho.DSCF3449

O teu blogue não é especificamente sobre costura mas, no entanto, está bem salpicado com projectos de costura. Tens uma marca e fazes artigos muito aliciantes sobre as tuas peças e marcas de eleição, ou seja, gostas mesmo de moda, de roupa. Por isso, no meio de tudo isso, como é que ela surge, a costura?

Sempre me habituei a ver a minha mãe a usar os trabalhos manuais como uma espécie de terapia para uma vida profissional intensa. E acho que herdei esse gosto. Comecei com tricot e crochet e depois, há uns anos, resolvi oferecer-me uma máquina de costura num Natal porque tinha curiosidade em aprender. Fiz sempre coisas muito simples até ter sido mãe e só quando o meu filho mais velho tinha um ano e eu gostava de o vestir com coisas um pouco diferentes do que via nas lojas, é que decidi começar a fazer moldes para ele e a usar os tecidos moçambicanos que me trazia o meu marido. Daí à Cappies and Lanas foi um saltinho!

DSCF2861

Ainda te lembras qual foi a primeira peça que fizeste numa máquina de costura e como te sentiste?

Lembro-me perfeitamente. Como a máquina chegou antes do Natal fiz sacos para as minhas amigas todas e pensei na altura: Pronto! Pelo menos para os próximos seis meses já rentabilizei este investimento!

Por vezes deixamos técnicas por realizar (inserir fechos, fazer casas de botão, etc.) durante bastante tempo porque temos receio. Há alguma coisa que te “assuste” ou és mais do tipo “para a frente é que é o caminho”? O que achaste mais difícil e mais fácil de fazer até agora?

Revejo-me muito nesses exemplos! Os fechos invisíveis assustam-me um bocadinho. Comecei a fazer almofadas em série lá para casa para tentar treinar a técnica mas acho que ainda preciso de a aperfeiçoar muito. As casas para os botões também é uma daquelas coisas que ainda evito. Mas sou muito de ir e depois logo ver como resolvo. Claro que tenho a sorte de ter boas costureiras com quem habitualmente trabalho e a quem posso recorrer num momento de aflição. Mas à partida se gosto de um modelo: avanço. Acho que as coisas mais fáceis e que nos podem dar mais prática e confiança para começar são os projectos mais simples para a casa ou para os nossos filhos. Acho que isso nos permite aperfeiçoar a técnica e a confiança na nossa máquina para depois nos sentirmos capazes de avançar para voos mais altos.

O teu último projecto de costura lá no blogue, pelo menos o último publicado, é um colete para ti que fizeste de raiz. Gostas mais de coser para ti ou para os teus filhos?

Na verdade não consigo escolher. Gosto muito de costurar para eles e ver a excitação e orgulho que sentem em usar as peças novas que faço quase a pedido (habitualmente se tem capucho ou bolsos já sei que será um sucesso). Para mim sinto um misto de maior responsabilidade com todos os detalhes e orgulho em vestir o que faço. O colete foi um desafio não pela complexidade da costura mas por ter feito, pela primeira vez de raiz, uma peça para mim. Aprender a tirar as medidas e desenhar um molde exactamente à minha medida foi para mim um passo muito importante.unnamed (1)

Que planos tens para este ano que possas partilhar connosco? Fazer moldes? Mais roupa para ti?…

Quero continuar a aprender a fazer moldes e definitivamente perder o medo às tais coisas mais difíceis (fechos e casas de botões). Também gostava muito de começar a fazer também para o meu marido e acho que ele iria adorar. Mas sei que aí o desafio será maior. Tudo objectivos ambiciosos eu sei e, na verdade, já ficaria tão feliz se conseguisse apenas ter mais tempo para me dedicar à costura.

unnamed

E finalmente algumas perguntas técnicas no jeito de termina a frase

Aprendi a costurar com… comigo!

A minha máquina de costura é uma… Pfaff hobby 1142. 

As ferramentas de costura sem as quais não passo são… uma mini tesoura que comprei há uns anos numa viagem.

Gosto de costurar para… todos lá em casa.

Costumo costurar… (de manhã, à tarde, à noite, etc.) à noite e aos fins-de-semana, durante as sestas dos meus pequenos índios.

Costumo costurar na/no… (na sala, na varanda, na cozinha, etc.) no meu cantinho de costura, na sala.

O meu sonho é, um dia, costurar um/uma… um smoking para mim.

Podes encontrar a Patrícia e o seu trabalho aqui:

http://www.shortstoryblog.com/

https://www.instagram.com/plencastre/

https://www.facebook.com/shortstoryoflifeandstyle?fref=ts

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *